Cancer de Pele.net.br - Dr Gustavo Alonso

Pesquisa rápida:

Carcinoma Basocelular

O que é o carcinoma basocelular? 

Carcinoma Basocelular (CBC) é um câncer maligno da pele de crescimento lento e progressivo que acomete freqüentemente áreas expostas ao sol como o rosto.  O CBC é um problema “local”, causando invasão e destruição da pele no local acometido. Contudo, raramente o CBC metastiza, isto é, espalha pelo corpo.  Por esta razão o CBC é considerado um tumor maligno de bom comportamento.

Epidemiologia do carcinoma basocelular:

    Na estimativa de 2012 do Instituto Nacional do Câncer INCA, o câncer de pele não melanoma é o câncer mais comum do brasileiro com 135 mil novos casos. Destes calcula-se que 75% sejam carcinomas basocelulares. O CBC é o tumor mais comum das pessoas de pele clara e sua incidência aumenta anualmente no mundo todo. CBC acomete freqüentemente adultos, principalmente idosos, podendo raramente afetar crianças. Entre os adultos, pessoas de pele clara, olhos claros, cabelos loiros ou ruivos e com pouca capacidade de bronzear-se são mais afetados. É mais freqüente em homens numa proporção de 2:1, contudo, em mulheres abaixo de 40 anos a proporção se inverte, sendo mais freqüente que em homens. Isto se explica pelos hábitos de bronzeamento (seja pelo sol natural ou uso de câmaras de bronzeamento).

Fatores de risco para o carcinoma basocelular:

Os fatores de risco para o desenvolvimento do carcinoma basocelular podem ser divididos em próprios da pessoa e ambientais:
Os fatores próprios da pessoa são: pele clara, tendência a queimadura solar e antecedente de CBC prévio. Pacientes imunossuprimidos (com alguma deficiência no sistema de defesa) também apresentam um risco maior de desenvolverem carcinoma basocelular, principalmente os transplantados.
O principal fator ambiental é a exposição crônica à radiação ultravioleta (UV) do sol. Contudo a relação entre tempo, quantidade e padrão de exposição e risco de CBC ainda não é clara. Pessoas que tomaram muito sol na infância e adolescência tem um risco maior de aparecimento de carcinoma basocelular na vida adulta.

Diferentes tipos de carcinoma basocelular

    Os carcinomas basocelulares podem apresentar-se de diversas formas clínicas:

  •     Carcinoma basocelular nodular ou nódulo-ulcerativo: Esta a forma mais comum do CBC, apresenta-se como um nódulo (bolinha) de coloração rósea, bordas arredondadas e brilho perolado, por vezes, apresentando minúsculos vasos sanguíneos, conhecidos como teleangiectasias. O brilho perolado e as teleangiectasias são importantes características para se reconhecer um carcinoma basocelular.  O CBC ulcera, fere, com facilidade. Quando ulcera, normalmente não cicatriza. Esta é uma das características dos carcinomas basocelulares: ferida que não cicatriza.

 O crescimento é lento, mas se não for cuidado de forma adequada, o CBC pode atingir grandes tamanhos.
Foto de carcinoma basocelular nodular em lábio. Normalmente vemos o brilho perolado e finos vasos de sangue, chamados de teleangiectasias. Quer ver mais [url=www.cancerdepele.net.br/foto/carcinoma-basocelular]imagens de carcinoma basocelular?  [/url]Foto de carcinoma basocelular nodular em lábio. Normalmente vemos o brilho perolado e finos vasos de sangue, chamados de teleangiectasias. Quer ver mais imagens de carcinoma basocelular?


Carcinoma basocelular ulcerado em ponta nasal, normalmente referido como “ferida que não cicatriza”. Carcinoma basocelular ulcerado em ponta nasal, normalmente referido como “ferida que não cicatriza”.

  •     Carcinoma basocelular esclerodermiforme: Esta variante clínica caracteriza-se por um comportamento mais agressivo, clinicamente lembra uma cicatriz, é uma placa branco-amarelada ou rósea, com limites mal definidos. Esta forma de CBC é difícil de ser diagnosticada, normalmente apenas médico muito bem treinados são capazes de fazer o diagnóstico.

Carcinoma basocelular esclerodermiforme em lábio, a lesão lembra uma cicatriz, mas em alguns pontos tem um brilho perolado. Carcinoma basocelular esclerodermiforme em lábio, a lesão lembra uma cicatriz, mas em alguns pontos tem um brilho perolado.

  • Carcinoma basocelular superficial: Esta forma clínica é mais comum em indivíduos jovens e ocorre principalmente nas costas e membros inferiores. Clinicamente caracteriza-se por uma área avermelhada, descamativa e mal delimitada. É difícil diferenciar um CBC superficial de outras doenças da pele como psoríase e eczema, Doença de Bowen e queratose actínica. Um recurso muito útil na diferenciação entre carcinoma basocelular e estas doenças é a dermatoscopia.

Carcinoma basocelular superficial na sua localização mais comum: nas costas. No detalhe o aspecto avermelhado e descamativo.Carcinoma basocelular superficial na sua localização mais comum: nas costas. No detalhe o aspecto avermelhado e descamativo.

  •     Carcinoma basocelular pigmentado: Qualquer das três formas clínicas acima pode ser pigmentada, mas é mais comum a pigmentação na forma nódulo ulcerativa.  A incidência de carcinoma basocelular pigmentado varia, sendo mais freqüente em indivíduos de pele mais escura. A forma pigmentada faz diagnóstico diferencial com queratoses seborreicas e melanomas.

Carcinoma basocelular nodular pigmentado na testa, mesmo pigmentado o CBC mantém o brilho perolado.Carcinoma basocelular nodular pigmentado na testa, mesmo pigmentado o CBC mantém o brilho perolado.

Carcinoma basocelular esclerodermiforme pigmentado em face. A área esbranquiçada lembra muito cicatriz.Carcinoma basocelular esclerodermiforme pigmentado em face. A área esbranquiçada lembra muito cicatriz.


Carcinoma basocelular superficial pigmentado, área avermelhada e pigmentada mal delimitada nas costas.Carcinoma basocelular superficial pigmentado, área avermelhada e pigmentada mal delimitada nas costas.

Tratamento do carcinoma basocelular

O Carcinoma basocelular pode ser tratado de forma cirúrgica ou clínica (com medicações orais e tópicas). Saiba tudo sobre o tratamento do carcinoma basocelular.

Quais as formas de prevenção ao carcinoma basocelular ? 

  A principal causa do carcinoma basocelular é a exposição à radiação solar. Por isso o cuidado com o sol é fundamental. Clique aqui para saber mais sobre prevenção.
  Além da prevenção à exposição solar, indivíduos que já tiveram um carcinoma basocelular tem um risco maior de terem outro carcinoma basocelular. Por esta razão, recomenda-se que quem já teve um carcinoma basocelular procure um médico especialista a cada 6 meses.
Gostaria de saber mais sobre prevenção ao carcinoma basocelular?

Considerações finais:
    O carcinoma basocelular, por seu comportamento pouco agressivo tende a ser negligenciado por médicos e pacientes. É fundamental um diagnóstico precoce e um tratamento adequado. O carcinoma basocelular pode ser localmente destrutivo, causando seqüelas estéticas importantes. Somente um médico especializado pode realizar o tratamento de forma adequada.

Carcinoma basocelular de comportamento agressivo, crescimento invadindo e perfurando toda a orelha. Carcinoma basocelular de comportamento agressivo, crescimento invadindo e perfurando toda a orelha.

    
Autor: Dr. Gustavo Alonso Pereira


Bibliografia:

1.    Alessi SS, Sanches JA, Oliveira WR, Messina MC, Pimentel ER, Festa Neto C. Treatment of cutaneous tumors with topical 5% imiquimod cream. Clinics (Sao Paulo). 2009;64(10):961-6.
2.    Altamura D, Menzies SW, Argenziano G, Zalaudek I, Soyer HP, Sera F, Avramidis  M, DeAmbrosis K, Fargnoli MC, Peris K. Dermatoscopy of basal cell carcinoma: morphologic variability of global and local features and accuracy of diagnosis. J Am Acad Dermatol. 2010 Jan;62(1):67-75.
3.    Avril MF, Auperin A, Margulis A et al. Basal cell carcinoma of the face: surgery or radiotherapy? Results of a randomized study. British Journal of Cancer, vol. 76, no. 1, pp. 100– 106, 1997.
4.    Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer.Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer.– Rio de Janeiro: INCA, 2011.
5.    Caresana G, Giardini R. Dermoscopy-guided surgery in basal cell carcinoma. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2010 Dec;24(12):1395-9.
6.    Ceilley RI, Del Rosso JQ. Current modalities and new advances in the treatment of basal cell carcinoma. Int J Dermatol. 2006 May;45(5):489-98.
7.    Cigna E, Tarallo M, Maruccia M, Sorvillo V, Pollastrini A, Scuderi N. Basal  cell carcinoma: 10 years of experience. J Skin Cancer. 2011;2011:476362.
8.    Dermatologia. Sebastião A. P. Sampaio. Evandro A. Rivitti. 2ª edição. São Paulo: Artes Médicas, 2001.
9.    Giacomel J, Zalaudek I. Dermoscopy of superficial basal cell carcinoma. Dermatol Surg. 2005 Dec;31(12):1710-3.
10.    Gloster HM, Kenneth Neal K. Skin cancer in skin of color. J Am Acad Dermatol 2006;55:741-60.
11.    Gulleth Y, Goldberg N, Silverman RP, Gastman BR. What is the best surgical margin for a Basal cell carcinoma: a meta-analysis of the literature. Plast Reconstr Surg. 2010 Oct;126(4):1222-31.
12.    Hernández-Machin B, Borrego L, Gil-García M, Hernández BH. Office-based radiation therapy for cutaneous carcinoma: evaluation of 710 treatments. Int JDermatol. 2007 May;46(5):453-9.
13.    Hulyalkar R, Rakkhit T, Garcia-Zuazaga J. The role of radiation therapy in the management of skin cancers. Dermatol Clin. 2011 Apr;29(2):287-96.
14.    Kanitakis J, Alhaj-Ibrahim L, Euvrard S et al. Basal cell carcinomas developing in solid organ transplant recipients. Arch Dermatol 2003; 139: 1133–7.
15.    Kokoszka A, Scheinfeld N. Evidence-based review of the use of cryosurgery in  treatment of basal cell carcinoma. Dermatol Surg. 2003 Jun;29(6):566-71.
16.    Lawrence CM. Mohs' micrographic surgery for basal cell carcinoma. Clin Exp Dermatol. 1999 Mar;24(2):130-3.
17.    Leibovitch I, Huilgol SC, Selva D, Richards S, Paver R. Basal cell carcinoma  treated with Mohs surgery in Australia II. Outcome at 5-year follow-up. J Am Acad Dermatol. 2005 Sep;53(3):452-7.
18.    Menzies SW, Westerhoff K, Rabinovitz H, Kopf AW, McCarthy WH, Katz B. Surface microscopy of pigmented basal cell carcinoma. Arch Dermatol. 2000 Aug;136(8):1012-6.
19.    Morton CA, McKenna KE, Rhodes LE; British Association of Dermatologists Therapy Guidelines and Audit Subcommittee and the British Photodermatology Group. Guidelines for topical photodynamic therapy: update. Br J Dermatol. 2008 Dec;159(6):1245-66.